Aprender a rezar, a foder e a morrer na era do cinismo

Bangalô |  Marcelo Mirisola

Oportunidade perdida

Com o PS atolado na geringonça, o PSD de regresso ao regaço da social-democracia e o CDS em busca de uma identidade mais “pragmática” e menos “ideológica”, não é crível que a próxima revisão constitucional sirva para nos livrar do peso cada vez mais insuportável do Estado sobre as nossas humildes cabeças e depauperados bolsos.

Qualquer visão que sugira sequer uma ruptura com a nossa tradição estatista apresenta poucas possibilidades de vicejar numa sociedade sitiada pelo Estado-babá. De oportunidade perdida em oportunidade perdida, o Estado engorda, enfraquece e soçobra diante da corte dos “direitos adquiridos” e das castas que se ufanam em banquetear-se à mesa do Orçamento.

A calamidade é tanto maior quanto o “rumo ao socialismo” trilhado nestes 40 anos sufocou a sociedade portuguesa na obscenidade materialista que, por definição, é o território de pasto do Estado totalitário que se vislumbra no horizonte.

Entre a leveza fútil de uma deputação que se ocupa em legislar profusamente tudo o que mexe e o sequestro do Estado por grupos de interesses, por ora, afigura-se impossível qualquer tipo de compromisso constitucional que liberte a sociedade, retire o Estado da economia e nos deixe no sossego do viver habitualmente.


Diário Económico | 18.03.2016

O monarca exemplar

Adivinhar o que se vai passar nos próximos 10 anos não só seria imprevidente como inútil.

Tanto pela imprevisibilidade do tempo quanto da personagem. Mas Marcelo surpreendeu - o que é surpreendente num espírito irrequieto onde a surpresa é a ausência de surpresa: despiu o fato de comentador e fazedor de factos e revestiu-se da gravitas que a posição cimeira na hierarquia de Estado impõe.

Mas talvez a chave possível para a leitura do que venha a suceder nos dois mandatos de Marcelo esteja na “política de proximidade” que tem praticado desde a campanha eleitoral. Proximidade destituída dos vazios chavões da cidadania esquerdista.

Proximidade autêntica, que resulta da sensibilidade e inteligência de Marcelo em estar e ser de igual para igual em qualquer circunstância e com quem quer que seja. Marcelo exercerá a presidência ao estilo de um monarca exemplar. Atento ao país, atento às pessoas, atento às circunstâncias. A ser assim, podemos finalmente contar com uma figura acima da querela e mesquinharia partidária.

Não se espere ‘vichyssoise’ no cardápio de Belém. Seria uma surpresa. Uma sopa servida fria.


Diário Económico | 09.03.2016

Conversas em Família na Era do Vazio

Entre outras coisas maravilhosas que a geringonça já nos trouxe chega-nos agora o ‘remake’ das Conversas em Família.

Costa, certamente deslumbrado consigo mesmo e com o Orçamento que nos vai alçar a cumes de crescimento jamais alcançados, faz-nos entrar no tempo das Conversas em Família 2.0.

E talvez haja aqui um paralelismo com o antigo regime, onde a televisão era explicitamente usada para exercícios de propaganda no estertor do Estado Novo.

Para além da patética redução da política a um paupérrimo exercício de comunicação, importaria muito pensar o tipo e a qualidade da comunicação. Afinal a geringonça devolve-nos um Ministério da Cultura que, não andasse entretido a distribuir alcavalas a “criadores”, já se teria ocupado a pensar verdadeiramente numa política de comunicação. E, já agora, já que existe, de cultura.

Mas antes assim. Todos conhecemos a inclinação socialista para a usurpação dos media e para colocá-los ao serviço da instrução e educação deste pobre povo. Deixemos o ridículo brilhar em todo o seu esplendor.


Diário Económico
| 17.02.2016

A nossa necessidade de consolo é possível de satisfazer

Apanhado nas armadilhas do zeitgeist – pós-queda de Lehman Brothers – faz de Ryan Bingham a representação já não do yuppie todo-poderoso, implacável do cimo da sua solidão, mas da queda, do desamparo do animal ferido na vertigem deste tempo.
As coisas são o que são e já não são como outrora para poderem ser o que sempre foram. E serão.

Depois, é o confronto com os sinais desta abertura do século: o hedonismo nihilista que todos os laços reduz a pó, a queda, a quebra, a rasura de qualquer vínculo e a próximidade e o encontro como perigo indisfarçável do possível desmoronar da fortaleza da indiferença. Pobres de nós humanos, a nossa necessidade de consolo é possível de satisfazer.


Up in the Air | Jason Reitman | EUA / 2010

moradas

8. Com certezas, não pode haver estilo: a preocupação de dizer bem é o apanágio daqueles que não conseguem adormecer numa fé. À falta de um apoio sólido, agarram-se às palavras - simulacros de realidade; enquanto os outros, fortes nas suas convicções, desprezam a aparência e se refastelam no conforto da improvisação.


Silogismos da Amargura, Atrofia do Verbo | E. M. Cioran | Trad. Manuel de Freitas

moradas

7. Se Molière se tivesse debruçado sobre os seus abismos, Pascal - com os seus - teria feito figura de jornalista.


Silogismos da Amargura, Atrofia do Verbo | E. M. Cioran | Trad. Manuel de Freitas

moradas

6. Gosto tanto dos espíritos de segunda categoria ( Joubert, acima de todos) que, por delicadeza, viveram à sombra do génio dos outros e, receando poder tê-lo, se privaram do seu!


Silogismos da Amargura, Atrofia do Verbo | E. M. Cioran | Trad. Manuel de Freitas

Tremendas Trivialidades

Extrair o drama da trivialidade, do humdrum da vida de todos os dias, é o tema de Leigh. Talvez a desagregação psicológica de Mary, por exemplo, seja a travessia solitária de cada um de nós pelo deserto onde a contemporaneidade nos lança. Talvez. E talvez aquilo que nos parece um dom ou um dado adquirido, a tranquilidade e o amor que envolvem Tom e Gerri e Joe, não seja menos que um projecto inteiro e íntegro de vida. E isso, certamente, é o que chama todos à mesa da sua morada.


Another Year | Mike Leigh | Inglaterra / 2010

moradas

5. Das «verdades»,já não queremos suportar o peso, nem sermos delas vítimas ou cúmplices. Sonho com um mundo onde se morresse por uma vírgula.


Silogismos da Amargura, Atrofia do Verbo | E. M. Cioran | Trad. Manuel de Freitas

moradas

4. Sem as dúvidas que temos acerca de nós próprios, o nosso cepticismo seria letra morta, inquietação convencional, doutrina filosófica.


Silogismos da Amargura, Atrofia do Verbo | E. M. Cioran | Trad. Manuel de Freitas

where the suburbs met utopia

where the suburbs met utopia
where the suburbs met utopia

Lost in the high street, where the dogs run
roaming suburban boys
Mother's got her hairdo to be done
She says they're too old for toys
Stood by the bus stop with a felt pen
in this suburban hell
and in the distance a police car
to break the suburban spell

Let's take a ride
and run with the dogs tonightin suburbia
You can't hide
Run with the dogs tonight
in suburbia

Break the window by the town hall
Listen! A siren screams
there in the distance like a roll call
of all the suburban dreams

Let's take a ride
and run with the dogs tonight
in suburbia
You can't hide
run with the dogs tonight
in suburbia

I only wanted something else to do but hang around
I only wanted something else to do but hang around

It's on the front page of the papers
This is their hour of need
Where's a policeman when you need one
to blame the colour TV?

Let's take a ride
and run with the dogs tonight
in suburbia
You can't hide
run with the dogs tonight
in suburbia

Suburbia
where the suburbs met utopia
What kind of dream was this
so easy to destroy?
And who are we to blame
for the sins of the past?
These slums of the future?
suburbia
where the suburbs met utopia
suburbia
where the suburbs met utopia



Suburbia
| Pet Shop Boys / 1986

Para o Mar

Avançar sobre o murete que separa
A estrada do passeio à beira mar

Recorda, vívido, o que em tempos conheci:
A alegria em miniatura das praias.
Tudo se amontoa sob um baixo horizonte:
Praia íngreme, mar azul, toalhas, toucas garridas,
Desmaio sussurrado e repetido de ondinhas
Sobre a areia clara e quente, e mais ao longe,
Encalhado na tarde, o casco branco de um vapor –

E ainda é assim, tudo, tudo ainda é assim!
Deitar-se, comer, dormir com as ondas em fundo
(De ouvidos nos transistores, um som remansado
Debaixo do céu), ou levar pela mão, para baixo e para cima,
Meninos acanhados, de folhos brancos
E agarrando-se ao ar imenso: ou empurrar
Velhos hirtos em cadeiras de rodas, para gozarem
Um último Verão- tudo isto ainda acontece,
Em parte um prazer de cada ano, em parte um ritual,

Como quando, feliz por estar só, eu procurava
Na areia cromos de Jogadores de Cricket,
Ou, muito antes, os meus pais se conheceram
Ao som do mesmo cacarejar de praia.
Alheio agora a tudo isso, observo a cena sem nuvens:
A mesma água límpida sobre seixos polidos,
Ao longe a voz dos banhistas em protestos agudos,
Já no limiar e depois os charutos baratos,
Os papéis de chocolates, as folhas de chá e, entre

As rochas, as latas a enferrujar, até que umas poucas
Famílias começam o caminho de volta aos carros.
O vapor branco já partiu. Como vidro embaciado,
A luz do sol esbranquiçou. Se a pior coisa
De um tempo imaculado é não estarmos à altura,
Pode ser que com o hábito esta gente refine,
Vindo a banhos tão sem jeito despida
Ano após ano, ensinando os seus filhos com uma espécie
De momice; e ajudando os velhos, também, como deve ser.



Para o Mar
| in Janelas Altas | Philip Larkin / Trad. de Rui Carvalho Homem / Ed. Cotovia

moradas

Existe na estupidez uma seriedade que, melhor orientada, poderia multiplicar o número de obras-primas.


3. Silogismos da Amargura, Atrofia do Verbo | E. M. Cioran | Trad. Manuel de Freitas

dysfunction follows form

Arranha Céus | J.G. BAllard | 1975 / Trad. Marta Mendonça, Rute Mota

O tempo do idealismo, o optimismo tornado barbárie.
A humanidade degradada e incapaz de escapar à natureza.
A liberdade é tão mais preciosa quanto Eros e tanathos não se eximem a exterminá-la.


Michael Wolf

Musa Consolatrix

Juventude | Paolo Sorrentino | Itália / 2015



Que a mão do tempo e o hálito dos homens
Murchem a flor das ilusões da vida,
Musa consoladora,
É no teu seio amigo e sossegado
Que o poeta respira o suave sono.

Não há, não há contigo,
Nem dor aguda, nem sombrios ermos;
Da tua voz os namorados cantos
Enchem, povoam tudo
De íntima paz, de vida e de conforto.

Ante esta voz que as dores adormece,
E muda o agudo espinho em flor cheirosa,
Que vales tu, desilusão dos homens?
Tu que podes, ó tempo?
A alma triste do poeta sobrenada
À enchente das angústias;
E, afrontando o rugido da tormenta,
Passa cantando, alcíone divina.

Musa consoladora,
Quando da minha fronte de mancebo
A última ilusão cair, bem como
Folha amarela e seca
Que ao chão atira a viração do outono,
Ah! no teu seio amigo
Acolhe-me, — e terá minha alma aflita,
Em vez de algumas ilusões que teve,
A paz, o último bem, último e puro!


Musa Consolatrix | Machado de Assis

buy land, buy land, they doesn't do more

O dinheiro é o deus.
Os mercados a sua religião.
Os milhões de desempregados as vítimas sacrificiais sobre o seu altar.


The Big Short | Adam McKay | EUA / 2016

Das festas, as vésperas


O tempo em que as puídas sombras do passado se transformam na rocha luminosa da verdade.


45 Years | Andrew Haigh | Inglaterra / 2015

moradas

Tantas páginas, tantos livros que foram as nossas fontes de emoção, e que relemos para estudar neles a qualidade dos advérbios ou a propriedade dos adjectivos!

2. Silogismos da Amargura, Atrofia do Verbo | E. M. Cioran | Trad. Manuel de Freitas

moradas


1. Formados na escola dos caprichosos, idólatras do fragmento e do estigma, fazemos parte de um tempo clínico em que apenas contam os casos. Debruçamo-nos sobre aquilo que um escritor calou, sobre aquilo que poderia ter dito, sobre as suas profundezas mudas. Se ele deixar uma obra, se ele se explica, pode contar com o nosso esquecimento. Magia do artista irrealizado..., de um vencido que deixa fugir as suas decepções, que não sabe fazê-las frutificar.

Silogismos da Amargura, Atrofia do Verbo | E. M. Cioran | Trad. Manuel de Freitas

Sair do armário: diga qualquer coisa de Direita

De todos os méritos de Paulo Portas na liderança do CDS, e foram alguns, um dos mais relevantes terá sido a capacidade de atracção de «jovens quadros», na gramática portista, ao partido. São alguns nomes que, por sortilégio do calendário político, em pouco tempo ganharam lastro político, governativo e, não menos importante, mediático.

Destacam-se, naturalmente, Adolfo Mesquita Nunes, pelo excelente trabalho no Turismo, e Assunção Cristas, na difícil pasta da Agricultura. Cristas que, apesar de tudo ainda deixa grande parte da direita na expectativa, tem, para já, a enormíssima vantagem de poder articular com algum recato as diversas tendências que convivem no CDS.

Liberais e neo-liberais, conservadores e democratas-cristãos, têm agora oportunidade para construir tranquilamente uma casa comum para lá das limitações históricas.

A grande responsabilidade aos ombros de Cristas é apontar o futuro a uma direita afirmativa, que recusa os complexos do pós-25 de Abril, cosmopolita, por ser verdadeiramente conservadora e, citando Adolfo Mesquita Nunes, «sensata», avessa a qualquer tipo de engenharia social a despeito da crua realidade das coisas. É isto que urgentemente necessitamos.

Diário Económico | 19.01.2016

A dura poesia concreta de tuas esquinas

Centro de Interpretação do Românico | Spaceworkers | Lousada, Portugal / 2016


Esperar 2016

2016 , um ano para esperar:

Por um governo que governe, concorde-se ou discorde-se, e que não se reduza a patéticos exercícios de sobrevivência; por um primeiro-ministro que dispa o fato de Maquiavel dos pequenitos e seja, de facto, um líder para o país; pelo tino dos nossos governantes que, por um instante, por um ano, submetam o interesse pessoal ao bem comum; pelo juizinho dos nossos políticos, que abandonem os jogos florais com que nos presenteiam diariamente no simulacro de Parlamento onde se passeiam - e, já agora, que o Parlamento seja a arena de confronto e da dissensão de ideias e não de ressentimentos e mesquinhez; por um espaço público desintoxicado da indigência cultural em que temos penado.

Mais. Que Portugal se torne um lugar culturalmente respirável e que os jornalistas noticiem mais e opinem menos e, milagre, que os jornais resistam e, se possível, apareçam mais títulos excluídos ao rolo compressor da tabloidização que, miseravelmente, nos cai em cima todos os dias.

2016, um ano para esperar: sentado.


Diário Económico | 5.1.2016

Iceberg

É inegável o impacto que a publicação dos ‘rankings’ das escolas teve na sociedade portuguesa e, até por isso, convém usar de alguma cautela ao olharmos para eles.

Ainda assim, e por muito incompleto que seja o resumo da informação acerca das escolas, são um bom indicador de que os pais dispõem na hora de escolher a escola dos filhos. E, não de somenos importância, servirão também para desfazer alguns mitos a que temos sido expostos há décadas pelos órfãos de Rosseau que insistem no uso da escola como instrumento
de ‘transformação do homem’.

Mas talvez a virtude maior do ‘ranking’ das escolas possa relacionar-se com uma possibilidade, remota, é certo, de demolição da ideologia (totalitária) igualitarista que alimenta os burocratas da 5 de Outubro.

O credo igualitarista da ‘educação’ sem avaliação como ferramenta privilegiada da mobilidade social elide os critérios do mérito e nivela por baixo, qual rolo compressor, a possibilidade de uma escola pública (e privada) que escape à engenharia social das luminárias alapadas aos corredores do Ministério. Perpetuando a paralisia social.

Os resultados estão à vista. O ‘ranking’ das escolas é só a ponta de um iceberg que está a partir o país a meio.


Diário Económico | 17.12.2015

A bout de souffle

Politicamente ferido por uma derrota eleitoral, eticamente colado a vagas e oportunistas papeletas secretamente assinadas nos esconsos da Assembleia com os partidos da esquerda não-democrática (e também com Heloísa Apolónia), moralmente desacreditado pela golpada com que a todos (com a excepção de Pedro Nuno Santos e Carlos César) ludibriou, lá chegou António Costa, o usurpador, a primeiro-ministro.

Por entre o ‘excel’ ridente martelado por Centeno e uma economia anémica; por entre o garrote de Bruxelas e as promessas a cobrar pelo desvario dos inconfiáveis PCP e BE; por entre o peso da realidade e a leveza da alucinação esquerdista, a Costa, o funambulista, e ao XXI Governo Constitucional nada sobrará além de um diário exercício de equilibrismo circense. E de vale-tudo.

À falta de escrúpulos que Costa, o contorcionista, nos habituou – e o espantoso uso orwelliano da linguagem no discurso de tomada de posse? –, junta-se um corpo de governantes-faca-nos-dentes a guardar o caminho estreito até as sondagens acenarem ao PS e irmos a eleições. Isto, naturalmente, se Costa, a rã, não perder o fôlego de sobrevivente no Kama Sutra quotidiano que vai ter de praticar com os escorpiões da extrema-esquerda.


Diário Económico | 30.11.2015

Contra o(s) Estado(s): da corrosão (pública) da intimidade


O bater de asas em Moscovo, o colapso do colapso do coração em Teriberka.
Kolya é não apenas o homem mas todos os desapossados e esmagados pela jugo da corrupção total. Nada escapa ao Leviatã devorador. Nada. Muito menos a alma humana.

É crimonoso o desprezo a que votamos quem, criminosamente, despreza a Humanidade.


Leviathan | Andrey Zvyagintsev | Rússia/2014

(Submissão) Schengen Area Revisited

De excepção em excepção, de restrição em restrição, o Espaço Schengen tem vindo a ser revisto ao sabor dos acontecimentos e do medo.

A distopia europeísta em curso, construída a partir da crença na intrínseca bondade humana e orlada numa bonita retórica multicultural para consolo da boa consciência das elites bruxelenses, apagou a Europa do concerto das potências, paralisou-a em contradições internas e alimentou durante décadas no seu coração o ninho da serpente onde prospera o terror.

Mais do que qualquer restrição interna à circulação, urge o diálogo e o envolvimento com os países (e civilizações) que fazem fronteira com a Europa e a afirmação vigorosa da perenidade dos valores europeus. Da Turquia aos poucos Estados que ainda sobram na linha do Mediterrâneo é indispensável implicar a comunidade internacional no drama dos refugiados; a todos, aos que cá estamos e aos que pretendem vir, devem ser claros os valores com que de há milénios se ergue uma Europa que recusa ser refém do terror.

Caso contrário – como a multidão que Kavafis reuniu no fórum, obnubilada consigo própria e ofuscada com o brilho decaído das jóias do seu passado – estamos condenados a lamentar: E agora, que vai ser de nós sem os Bárbaros?/ Essa gente era uma espécie de solução.


Diário Económico | 20.11.2015

o estado a que chegámos


A partir da rodagem d'O Estado das Coisas (1982) chegamos a Lisboa e ao final deste 2015. Atravessámos um país à velocidade das transformações aceleradas e das bruscas travagens sociais. Viagem por um país, pela cultura de um país, condenado a reconhecer-se pelo olhar do outro.


Wim WendersÀ luz do dia até os sons brilham 

Fora do Mundo

Com aplauso e comoção dos “democratas” militantes de todos os comunismos - que se veem já alçados ao poder - Costa vai fazendo a única coisa que pode fazer: sob os auspícios de um “acordo histórico” saciar os espoliados do regime pelo governo anterior.

O anúncio a conta-gotas da ‘defesa do emprego, salários e pensões’ – a sublinhar públicas dificuldades em alcançar um acordo que pouco mais é que privadas ambições de poder – não mais é que o regresso ao festim orçamental dos viciados no dinheiro dos outros.

Nas últimas semanas fomos aprendendo que para Costa tudo o que é deixa de ser. Ainda que o PS socrático-costista se alimente da redefinição permanente da linguagem como estratégia de desestabilização da realidade, a realidade não deixa de ser o que é: uma besta. E é exactamente aí, na realidade, onde se desfazem os “outros mundos possíveis” em que habitam as brilhantes cabeças da nossa esquerda. O anúncio de mais austeridade (preventiva) vem colocar o devaneio esquerdista no seu preciso lugar: fora da realidade.


Diário Económico | 9.11.2015

A Fonte Luminosa secou

Desconhecemos o que vai sobrar depois do burlesco onde estamos metidos pela cegueira socialista.

O que sabemos é que o ressentimento e a arrogância são o ‘leitmotiv’ de António Costa e de um Partido Socialista erguido à volta da intratável herança socrática. A partir daqui tudo é possível. E o seu contrário também.

Costa poderá até vir a ser saciado na demanda ilegítima pelo poder. Costa poderá até, a curto prazo, regressar ao andor em que foi levado pelas ruas da paróquia até ser deposto a 4 de Outubro. Mas o legado que se projecta é a de um PS que no futuro suportará o pesado fardo de ter aberto as portas do poder à esquerda anti-democrática. Coisa de somenos se se tiver em conta a tradição socialista de, à esquerda, ser barragem à demência dos vários comunismos.

O desconchavo de um tempo em que se ergue o absoluto vazio de António Costa a bardo de uma esquerda política e culturalmente patológica pode apenas, por enquanto, ser travado por Cavaco Silva que, em estertor final, observa o óbvio: o governo de um Estado democrático não pode ser suportado por partidos anti-democráticos. Muito menos a ele pertencerem.

Diário Económico | 31.10.2015

Realismo

Feliz ou infeliz, a conjugação “arco da governabilidade” adquire um sentido preciso por uma única e simples razão: os partidos com assento parlamentar à esquerda deste espectro são revolucionários.
E se não sobrassem outras razões do domínio da alucinação programática, esta seria suficiente para erradicar o BE e o PC de qualquer pretensão de poder num regime democrático.

Posto isto, e dando de barato o desnorte das coreografias com que António Costa nos tem presenteado desde o discurso da noite eleitoral (onde teve a ousadia de não pronunciar a palavra derrota), com alguma frieza e recomendáveis doses de realismo, chega-se facilmente à conclusão da necessidade imperiosa de um entendimento duradouro entre a Coligação e o PS. Seja este baseado em acordos de regime ou, num "exercício mais atrevido", sob a forma de uma coligação governamental.

Quanto mais não fosse, seria uma última oportunidade para esperarmos uma consensual e profunda reforma do Estado que nos livrasse de vez do peso insustentável com que o vamos suportando.

Assim pensasse mais António Costa no país e menos na sua sobrevivência política.

Diário Económico | 13.10.2014

Bye, bye Lisboa!

Em 1990 Barcelona com 1,5 milhões de habitantes atraiu 1,7 milhões de Turistas. Em 2014 Barcelona recebeu 7,5 milhões de Turistas. Rendimento anual através do Turismo atingiu os 12 mil milhões de euros.

Nas Ramblas, em cada 10 transeuntes, 9 são turistas. 1991: 23,7191991 dormidas; 2003: 37,224 dormidas; 2013: 69,128 dormidas.

Assistiu-se assim, à tranformação de toda a cidade num Parque Temático Turístico e à redução de todas as actividades a uma única, omnipresente e obsessiva Monocultura. O Turismo.

Todo e qualquer sentido do Viver e Habitar quotidiano foi dominado e reduzido à erosão permanente do visitar, do residir temporário, do permanente happening nocturno e da festa contínua.

Ao permitir este consumir de forma erosiva, predadora e esgotante, de todas as características que, precisamente, constituíram o atractivo e o motivo da vinda e, originalmente, o apelo de vísita, Barcelona cada vez mais, e paradoxalmente, foi transformada num local onde Turistas apenas encontram outros Turistas. Uma plataforma globalizada, esvaziada dos seus conteúdos, dos seus moradores e autenticidade original.

Tudo isto levou a uma crescente revolta local, com movimentos cívicos e crescentes manifestações de rua, culminando este processo com a eleição de Ada Colau para presidir o Município.

A primeira medida de Colau foi instalar uma moratória durante 1 ano, de todo o licenciamento para novos projectos turísticos, incluindo hóteis, hostels, reconversões para alojamentos temporários, etc.

Levou também à produção do já famoso Documentário “Bye Bye Barcelona”, no qual, todas estas situações e desafios são ilustrados.

Entretanto, Colau entrou em confronto directo com a airbnb e a Booking.com, exigindo destas organizações especialistas em estadias temporárias, a relação completa das moradas e registos de ofertas dos seus sites.

A todos os endereços ilegais serão impostas multas de 15.000 a 90.000 euros, oferecendo Colau como alternativa ao pagamento das multas pelos proprietários destes alojamentos, a disponibilização pelos mesmos, destas moradas durante três anos, como habitaçào social, para os residentes locais.

A recusa das organizações referidas de disponibilizar as informações exigidas, poderá levar à proibição de acesso a estes sites especializados em oferta de alojamentos temporários, em todo o território da Catalunha.

Alfama recebeu recentemente, a visita do Secretário de Estado do Turismo e do Ministro da Economia, que triunfalmente e com um distanciamento “blasé” em relação a um possível papel regulador, equilibrador, planeador, recusaram qualquer reflexão ou dúvida quanto ao crescimento avassalador da oferta e transformação de todas as residências, em alojamentos temporários, sem qualquer tipo de regulamento ou limites, dedicados ao Turismo.

Nesta irrealista e irresponsável atitude caracterizada por um “laissez faire, laisser aller” in extremis, até criticaram uma tímida e tardia preocupação, formulada por um dos grandes responsáveis por esta ausência de gestão e planeamento, Manuel Salgado.

Com efeito, Manuel Salgado ao anunciar em 2008 “A Baixa nunca será um bairro residencial” e ao propor exclusivamente um investimento na hotelaria, residências universitárias e alojamentos de curta e média permanência, entregando a dinâmica do investimento únicamente às exigências dos “mercados”, abdicou da sua responsabilidade planeadora e reguladora, abrindo a caixa de pandora.

No início do processo, antes da crise e respectiva transformação, motivada pela mesma crise, da cidade num gigantesco negócio de estadias temporárias, e acima de tudo, do exôdo maciço de toda a juventude Portuguesa, estes, naturalmente os potenciais habitantes de uma Baixa ainda vazia , ainda teria sido possível planear / estabelecer um equilíbrio.

Assim também, a possível inserção da totalidade da Baixa num regulamento de rigor Patrimonial determinado pela Unesco não convinha à liberdade de manobra de intervenção e licenciamento de Manuel Salgado, pois iria impedir a sua política de “fachadismo” e de destruição sistemática dos Interiores Pombalinos pelos “investidores”.

Agora, dramaticamente é tarde, e provavelmente de forma irreversível Manuel Salgado e os dois ilustres visitantes de Alfama vão acabar perversamente por “ter razão” na sua irresponsável atitude e ausência de visão.

Entretanto, brevemente, em frente a Alfama vai surgir o novo terminal de Cruzeiros, aumentando o “potencial” e alargando, através das respectivas intervenções e arranjos da envolvente incluindo possivelmente a desejada desactivação da estação de Santa Apolónia, a plataforma da Monocultura.

Bye Bye Lisboa!


António Sérgio Rosa de Carvalho | Público / 13.09.2015

uma seta no coração do dia

A arte há de sobreviver às suas ruínas | Anselm Kiefer / Deriva Editores / 2015


A arte tem de ser dano.


O espinho na carne, o cisco no olho que cega apenas nos permite aceder ao invisível.

tremendas trivialidades

Uma Mulher Sem Importância | Oscar Wilde / Truta


Evidentemente estamos no meio do furacão revisionista dos «estudos de género». Só assim se compreende a visitação a Uma Mulher Sem Importância a partir da hermenêutica de «igualdade de género» - esta psicose vai trazer-nos muito mais sofrimento.
Vejamos, naturalmente (ou realisticamente) o texto de Oscar Wilde impõe-nos a necessidade de olharmos para os códigos sociais e morais que regem, a cada época, cada sexo. Os desgraçadamente chamados «papéis de género», numa atribuição meramente cultural a essências – outra vez, essências – diversas e, perdão pelo reaccionarismo, naturais, são redutores e degradantes da condição de cada mulher e de cada homem. Seria demasiado fácil entendermo-nos, enquanto mulheres e homens, como «produto» de meras «construções sociais» - perdão pelo jargão ISCTE. Demasiado fácil e estúpido: tentar compreender o ser-se mulher e o ser-se homem a partir da perspectiva de «género» é reduzi-los a um exercício de gramática, um jogo de linguagem. Pior, admitir a linguagem como território de absoluto domínio e controlo de uma elite (académica, política, económica) a seu bel-prazer; a linguagem como ninho da serpente totalitária que passa por controlar o pensamento, primeiro, para controlar a alma, depois.
Mas a perversidade desta operação é tão maior quanto rasura o ser-se mulher e o ser-se homem do interior do mistério – outra vez, mistério – do que é ser-se mulher ou ser-se homem. Em cada lugar. Em cada tempo. A cada geração. E assim sucessivamente.
Entendamo-nos: o labor de todas as mulheres (e homens) de todos os tempos pela aquisição de dignidade igual para mulheres e homens, além de trespassado por sangue e indizível violência, decorre da pulsão natural de cada ser humano em construir uma vida feliz. Uma felicidade só possível numa sociedade onde a liberdade e a justiça são os bens mais preciosos e, talvez por isso, os mais frágeis. Consequentemente, os valores que terão necessariamente ser mais resolutamente defendidos pela arquitectura jurídica dessa sociedade. Não é utopia - até porque as utopias têm a infeliz e histórica inclinação a resultarem em extermínio de incontáveis vidas humanas -: é realismo, vida vivida e concreta.
Por isto tudo, pela psicose do «género» que infecta a intelligentsia, acaba por tornar-se um exotismo compreender a acção e a decisão de cada personagem (mulher ou homem) a partir de motivações interiores, livres e conscientes, que não reduzam cada personagem (mulher ou homem) a frívolas marionetas ao sabor dos costumes e da sociologia do momento. E é isto que subtilmente a Truta nos devolve a partir do texto: ainda que sejamos também influência do contexto somos, antes de mais, senhores do texto. Cada mulher, cada homem, destinados a nem sequer conseguirem encontrar os nomes do mistério de ser.

O sentido


A crer que os rituais da democracia ainda não foram totalmente esvaziados do sentido que possam adquirir no concreto das nossas vidas, sobra para o debate desta quarta-feira uma útil ocasião para se compreender com alguma serenidade aquilo que nos trazem Passos e Costa.

Mas o exercício é difícil. Se a Passos se pede que acorde da hibernação e nos mostre como pode protagonizar um horizonte de esperança para os próximos quatro anos quando o próprio, nos últimos quatro, não pôde ou não o soube fazer, a Costa impõe-se necessariamente um discurso que introduza alguma ordem na balbúrdia instalada no combóio socialista.

Para os 20 a 25% de indecisos revelados pelas sondagens conhecidas pode estar aqui a última oportunidade para, fora do circo das “acções de campanha”, encaixarem as propostas de Passos e Costa numa lógica que lhes responda às suas preocupações e inquietações.

Eventualmente mais pragmáticos que os convertidos à ideologia, aguardam que alguma racionalidade lhes seja, por fim, oferecida. Nem que seja a do mal menor.


Diário Económico | 09.09.2015

passagem

Tudo é santo, tudo é santo, tudo é santo. Não há nada natural na natureza, meu menino. Lembre-se. Quando a natureza te parecer natural, tudo estará acabado. E começará algo de novo. Adeus céu! Adeus mar! Sim, tudo é divino. Mas a divindade é também uma maldição: Deuses amam e odeiam ao mesmo tempo.



Medea | Pier Paolo Pasolini / 1969

É Medeia a estreita passagem (singular e colectiva) que obrigatoriamente teremos que fazer do irracional para o racional. Do mundo informe e caótico organizado pelos nossos demónios à capacidade de tentarmos compreender pelo logos, pela Verdade.

De uma arquitectura «orgânica» incrustada à «realidade natural»
para uma arquitectura calculada para lugar do Homem.

Siza do mundo

Que marcas ficaram da educação dada pelos seus pais?

Tudo de bom que tenho e posso ter. O meu pai era engenheiro e professor na Escola Industrial à noite, uma pessoa que trabalhava muito, inteligente e culto. A família era a preocupação máxima naqueles tempos que não eram fáceis: éramos cinco, o meu pai tinha bom emprego, mas os salários eram baixos e não havia grandes apoios. A minha mãe dedicou-se aos filhos e tivemos uma infância muito feliz.

Quis ser escultor, mas a ideia de vida boémia associada à profissão não agradou à família. Agradece ao seu pai ser arquitecto?

Ele gostaria mais que fosse engenheiro, arquitecto foi tolerável [risos], mas nunca me impôs coisa alguma, era uma pessoa encantadora, não dava para discutir ou tomar atitudes radicais. Fui para Belas Artes com a ideia de mudar paulatinamente para escultura, mas depois interessei-me pela arquitectura.

O interesse teve a ver com os professores?

Teve a ver com a renovação profunda, pois o corpo docente, quando entrei, em 1949, estava a aproximar-se ou mesmo na idade da reforma. Houve renovação muito certeira, tendo vindo de Lisboa para o Porto o mestre Carlos Ramos que chegou como professor de Arquitectura e passou a director quando o anterior saiu. Era uma pessoa de grande qualidade, grande arquitecto e pedagogo, um homem de grande diplomacia, capaz de levar avante enorme renovação num tempo em que era difícil e, sobretudo, não era bem vista. Escolheu com grande certeza o novo corpo docente quando não havia concursos, optou por gente muito nova, alguns recém-formados e já num empenho grande pela conquista da modernidade que não era muito bem-vinda naqueles tempos de ditadura.

O hábito de ter muita gente à mesa em casa ajudou no diálogo que quer no atelier?

Não directamente, mas o ambiente em que fui educado influenciou. As famílias eram grandes, havia proximidade de vizinhos, ambiente confortável - embora por vezes asfixiante e fechado - e estabilidade, substituída por mobilidade.

E isso é bom?

Como tudo tem duas faces: é bom pela abertura, maior contacto e conhecimento, mas também se criou uma instabilidade que afecta ou caracteriza um pouco a própria arquitectura.

Em que sentido?

No sentido em que, por exemplo, hoje não se faz ou aluga uma casa para gerações. A dispersão da família vai até à emigração, à distância, e isso, em relação à arquitectura, cria um apetite não da qualidade de antes, mas da fácil reciclagem e mudança. Sinto na arquitectura de hoje uma menor qualidade física e de durabilidade. Não é por acaso que aparece na arquitectura moderna o ‘plan libre', ou seja, uma maneira de as casas se poderem transformar, prevendo uma grande liberdade no projectado, mas com a possibilidade de reciclagem que, até certo ponto, é ainda um desejo de estabilidade, pois reciclar/transformar tem qualquer coisa que se pretende manter. Mas hoje constrói-se com frequência a pensar em 20 anos de vida da casa, não há essa qualidade estável e intemporal dessa altura. Isso não é assim tão directo e autêntico. Reparei, quando tinha trabalho em Berlim, que os arquitectos com mais prestígio viviam em casas antigas e chegavam a subir quatro pisos todos os dias, uma vez que não tinham ascensores. Era o ambiente não só da cidade, mas da própria casa - sem ‘plan libre', as casas antigas são muito flexíveis, pois os espaços não são especializados. Na arquitectura de hoje o que se vê nas casas é um espaço próprio para a sala de jantar, outro para a sala de estar, outro para o quarto... conformado de tal maneira que é difícil modificar o funcionamento da casa. Nas antigas, as divisões eram quase todas iguais e podia mudar o uso. A família crescia ou decrescia e compunha-se o modo de utilizar a casa.

Costuma dizer que o arquitecto é um especialista em não ser especialista...

É um trocadilho que faço [risos]. A especialização existe e é necessária, mas isso não deve significar dispersão e muitas vezes significa. Na minha profissão, há muitos projectos em que o arquitecto desenha a casa; depois vem um engenheiro e estuda a estrutura para cumprir aquele desenho; vem o electrotécnico e coloca uns candeeiros; vem o do ar condicionado e coloca umas grelhas, isto é, absolutamente disperso. Ora, a especialização é necessária, mas o trabalho de equipa é indispensável sob pena de haver perda de qualidade. Desde o início uma equipa tem de dialogar, surgem sempre muitas contradições, os interesses directos e imediatos de uma das especialidades colidem com os de outra e é preciso trabalhar em equipa. Por vocação, o arquitecto está talhado para ser o coordenador e não pode ser especializado em tudo, devendo concentrar-se nessa coordenação em direcção a um todo coerente.

Na apresentação da tese de um discípulo falou na arquitectura associada à alegria que contamina os espaços. É uma ideia que liga à sua obra desde o início?

Quando disse isso queria referir-me, sobretudo, a este aspecto: o trabalho do arquitecto exige muita concentração e pode ser muito aborrecido, cheio de obstáculos e exigindo quase uma obsessão na concentração. Isto só pode fazer-se bem com prazer. Se predominam os aborrecimentos, esta actividade é para esquecer. Há outros aspectos aos quais ligo a ideia de prazer que compensam isto e têm de ser conquistados, mesmo que seja muito difícil. O resultado disso deve ser uma atmosfera muito agradável e que recebe, tem abertura para as pessoas viverem a sua vida. A arquitectura não pode ser impositiva no sentido de como se utiliza e é fruída. E a isso ligo a ideia de alegria no sentido de plenitude no que se refere à casa.

O Pavilhão de Portugal, um dos seus projectos, pode servir como pagamento de dívida ao Estado. Como analisa isso?

Já tive a informação de que iria ficar consignado à Universidade de Lisboa...

E parece-lhe boa ideia?

É uma possibilidade boa, assim haja disponibilidade financeira. É uma utilização muito apropriada para aquele edifício que foi feito com a condição de ser adaptável a qualquer programa. Esteve para ser instalações do Governo ou centro cultural, nada disso foi para a frente, tenho esperança que agora se concretize.

Com trabalho espalhado pelo Mundo inteiro, identifica uma cidade na qual se reveja como arquitecto e como cidadão?

Há muitas e conheço poucas, porque ao fim e ao cabo o Mundo é muito grande [risos]. Dou o exemplo de Nápoles. Muitos visitantes classificam-na como caótica, mas dizem os de lá que perigoso é passar o sinal verde [risos]. Mas há algo muito interessante: não há acidentes. Porque se criou uma cultura de convivência que tem a ver com essa exteriorização vital, acompanhada por respeito e cuidado. Quem não é de lá fica estarrecido, eu guiei lá e parei para que fosse um amigo a conduzir. Claro que tem aspectos negativos, mas é uma cidade fascinante.

Elegeria mais alguma?

Muitas, quase todas em que trabalhei. Por exemplo, Berlim: quem visita a cidade tem ali à mão a história da evolução da arquitectura moderna, está lá tudo, incluindo os arquitectos que tiveram de exilar-se e deram impulso determinante nos Estados Unidos. Posso dizer que não há cidades desinteressantes.

Na família alargada inclui Le Corbusier, Mies van der Rohe, Frank Lloyd Wright, Alvar Aalto, Gropius, Utzon, Niemeyer...

E p'raí mais mil! E alguns a nascer [risos]...

Certo, mas a pergunta é o que há de comum para se filiar nessa família grande?

Modernidade. Sobretudo no tempo em que fiz escola, a arquitectura moderna era quase considerada perigosa e havia um empenho numa suposta arquitectura nacional: há grandes arquitectos que tiveram de remeter-se ao que chamámos "português suave" ou não teriam trabalho. Fizeram obra de grande modernidade, mas, depois, tinham de conter-se como Rogério de Azevedo, cuja obra era de uma modernidade explosiva. Havia pouca informação, um corpo docente de qualidade, mas envelhecido e, em muitos casos, frustrado por causa do ambiente da profissão. Quando entrei a referência quase única de modernidade era Le Corbusier.

Maiores perigos para a arquitectura?

Vi há pouco tempo um documentário onde se dizia que a arquitectura passara a ser mercadoria e não objecto de desejo ou necessidade, atribuindo-se a isso certa decadência da própria. No caso português está afectada por coisas que vêm da Comunidade Europeia. Exemplo: em nome do mercado livre, deixa de haver regras para honorários dos arquitectos e, em alguns casos, estabelece-se uma concorrência feroz.

Gosta de Pessoa, Picasso, ópera, a voz de Caruso, cinema - como ‘Citizen Kane' e neo-realismo italiano -, jazz de Miles Davis e Billie Holiday. E mais?

Tudo o que referiu tem muito de afim. A arquitectura tem muito a ver com música, cinema, ballet, pintura, escultura, literatura. Faz-me impressão haver quem considere que um arquitecto não pode fazer escultura por estar a meter a foice em seara alheia quando são actividades com muito em comum.

Há alguma obra que gostasse de realizar?

Não penso nisso. Quando me entregam trabalho a primeira coisa que penso é: ‘Que trabalhão que vai ser!' [risos] Nunca pensei assim, não luto por isso e penso que não vale a pena.


***


Compreende o comportamento da União Europeia face à Grécia?

É lamentável e agudizado com o problema da migração e a dificuldade de controlo face à dispersão das ilhas, também verificada em Itália. E tudo é remetido para a ideia de que ‘estes países do sul não sabem pensar'. Mas agora bateu à porta de Inglaterra através de França, de maneira que há um sobressalto. E há países em que se erguem muros depois de tanto regozijo com a queda do muro de Berlim por outras razões. A Comunidade Europeia está a construir uma prisão para si própria, pois esses muros funcionam ao contrário.

Está a falhar a União Europeia, entendida como espaço de solidariedade?

Desapareceu por completo.

Vê-a caminhar para a desunião?

A continuar assim não tenho dúvidas, mas espero que não continue assim. Esteve à beira de suceder a primeira expulsão de um país da Comunidade Europeia, coisa que não estava prevista nos seus princípios. E havendo essa também surgiriam a segunda e a terceira...

Um efeito dominó?

E nós numa calha de transporte rápido. Mas o mundo é muito mais do que a Comunidade Europeia, muita coisa está a acontecer. Se os países do sul da Europa compram menos isso prejudica a Alemanha, mas também há transformações na China que põem em questão esse grande mercado como alimento europeu. Mesmo querendo desligar e fragmentar, tudo está ligado. Acredito que vá haver modificação, porque, a páginas tantas, tal como os migrantes vão bater à porta, outras coisas irão bater à porta. Se não houver, a mudança mais radical seria mesmo o fim da Comunidade Europeia.

Como analisa o papel da Alemanha?

Ultimamente veio a notícia de que a Alemanha ganhou 100 mil milhões de euros com a crise grega. Isto diz tudo. A não transformação das decisões actuais tem muito a ver com isto. Cria-se de novo um nacionalismo e um egoísmo que são o oposto do que era a ideia utópica e romântica de Comunidade Europeia.

Nunca o convenceu o projecto?

No início convenceu. A ideia que estava por trás da fundação convenceu-me e houve um arranque ainda mais convincente. Uma das razões por que Portugal mudou profundamente, e vejo isso muitas vezes esquecido, foi pelo apoio, umas vezes bem usado, outras mal, vindo da Comunidade Europeia. Falando de coisas comezinhas, lembro-me bem do que era chegar a Lamego, Vila do Conde ou Viana do Castelo quando tinha trabalho lá! Tudo mudou, nas cidades do interior há universidades, bibliotecas, equipamentos vários, no essencial a mudança foi muito positiva.

O Pritzker, outros prémios ganhos e doutoramentos honoris causa o que lhe dizem?

Têm um significado para o ego e em termos de acesso a trabalho, embora às vezes funcionem ao contrário. Nunca perdi a consciência de que é algo que pode ou não acontecer, pois a atribuição de prémios depende de júris, circunstâncias, eventos, etc. Não sou o maior, porque há muito bons arquitectos no Mundo, uns mais conhecidos, outros menos.

Um dos seus filhos [ndr: Álvaro Leite Siza, irmão de Joana Marinho Leite Siza] é arquitecto e premiado: motivo de orgulho ou o cumprimento livre da vida dele?

Não fiz pressão para que fosse arquitecto; pelo contrário, várias vezes lhe disse: ‘Não te metas nisso.' Mas é a sua paixão e respeito a escolha.

Como é a vizinhança entre ateliers com Eduardo Souto de Moura no sentido do diálogo e da partilha de ideias?

Temos esses momentos, mas não tão frequentes como se possa julgar, porque ele tem vida muito ocupada, muitas viagens, eu tenho algumas e, às vezes, passamos uma semana sem nos encontrarmos.

Mas é útil?

Com certeza e, por exemplo, para Nápoles o convite foi feito aos dois.

O tempo é grande arquitecto ou escultor?

Entre ambos há grandes afinidades.

Revê-se mais no primeiro ou no segundo?

Atribuo mais à arquitectura. Até no Chiado foi notório, concluída a recuperação, eu não deixava de passear pelas ruas e sentir uma certa frustração porque estava tudo muito fresco, limpinho e faltava uma certa ‘patine' no sentido geral... Uma cidade não se faz em três anos, é preciso ocupar, transformar, haver intervenções várias que um arquitecto não pode simular. A respeito da Malagueira em Évora: criticava-se muito por as casas serem todas brancas e semelhantes. Eu sabia que iriam ter intervenções, jardins e tal... E isso aconteceu, algumas não me agradam, mas aquele sector tem vida própria, mesmo sem os equipamentos projectados.

Como é que um antigo praticante de hóquei em patins vê o desporto português?

É muito diferente, joguei só nos juniores do Infante de Sagres e pagava o bilhete nas deslocações. Agora é um negócio de milhões e isso traz atrelado um aumento de qualidade impensável. A tal transformação na sociedade portuguesa também passa pelo desporto: quando apareceu a primeira medalha de ouro olímpica foi uma enorme excitação.

Só com Lopes, Rosa, Fernanda e Nelson...

Sim, mas houve outras participações boas em muitas modalidades. No fundo, é como os prémios, passa por várias questões. Claro que é extraordinário: lembro-me de assistir na Holanda, em Roterdão, à vitória de Carlos Lopes na maratona e a excitação era enorme! Outro caso é o de Rosa Mota - ganhou no Japão e têm lá um monumento em sua homenagem. E faz sentido: aquela miúda franzina a impor-se de um modo tão espectacular...


***


O projecto democrático em Portugal evoluiu bem ou mal?

A história é muito complicada e, nos últimos tempos, há uma regressão dramática...

Vê na sociedade portuguesa aspectos que lhe lembrem tempos da ditadura?

Não digo tanto, nem por sombras, mas, em capítulos como saúde ou educação, onde a melhoria foi fantástica, estamos a assistir a inversão.

A culpa é nossa, como eleitores incapazes de distinguir os melhores projectos?

Cada um percebe de acordo com os seus interesses, não vou dizer que os eleitores são ignorantes. O que tem acontecido é um medo de mudança, talvez provocado pelo que aconteceu na Grécia. Ficou bastante claro com o caso grego que, surgindo um governo a querer real transformação da situação actual da - como é que se chama? - austeridade, é posto na prateleira, vai fora... De modo que não me espanta se no espírito de muitos eleitores estiver o receio do pior, este conformismo de ‘está mau, mas com um salto no escuro pode ficar pior'. Isso deve ter influência, porque senão haveria uma transformação radical neste País. Não me parece que as pessoas não saibam interpretar ou não tenham consciência do que se passa quando cai na própria pele.

Como olha figuras políticas diferentes como são Passos Coelho e António Costa?

Olho com esperança de que haja uma mudança. Não faço prognósticos, mas a mudança nas próximas eleições é fundamental. De António Costa, a quem conheço de trabalho na Câmara de Lisboa, tenho a melhor das impressões, penso ser alguém com grande capacidade de decisão.

Espera que o PCP seja Governo algum dia?

Pode até ser uma vantagem que não, permanecendo como voz crítica expressiva. E, no plano autárquico, vem realizando trabalho notável.

Tem falado sobre a ideia simultânea da experiência e da necessidade de libertação dessa experiência...

Não é bem libertar, é conviver no sentido da inovação e o apetite que aparece mais facilmente na juventude. O envelhecimento obriga a uma disciplina de preservação de uma certa espontaneidade e paixão pelo que se faz. Aqui a experiência não deve funcionar no sentido de predominar a ideia pré-estabelecida, mas sim a pesquisa e a inovação.

Aconselha na arquitectura um olhar que não seja superficial, mas uma análise em profundidade. Aconselha-o também à sociedade portuguesa?

Não aconselho - é uma necessidade que toda a gente sente, até porque sofre as consequências de determinadas decisões. Esse sentido crítico que estava subterrâneo e não se expressava, impedindo o diálogo e o enriquecimento das análises face ao que se passa, é fundamental.

Fica preocupado com a predominância do factor económico sobre os restantes?

É um bocado aborrecido abrir o jornal e só ver números. Começo a afastá-los para ver se encontro as pessoas, mas é difícil. Não entendo essa ideia de o País estar bem e as pessoas mal. Ou por outra, entendo...

Como é que entende?

Como um álibi: apresentar algo positivo, mesmo que não esteja enraizado na realidade.

A sociedade portuguesa decepciona-o?

Não só a portuguesa, em grau diferente conforme o que se passa por país e dentro da Comunidade Europeia em cada país consoante a análise e as considerações do que se passa. No fundo, isto tem geografia muito interessante ou desinteressante em função do ponto de vista.

Há ideologia na arquitectura em geral?

Está cheia dela... O arquitecto, com raríssimas excepções, trabalha contratado para outros e o seu desempenho é como uma caminhada entre condicionamentos. Depois do 25 de Abril, quando houve os programas SAAL (Serviço de Apoio Ambulatório Local), foi um momento muito importante para a arquitectura no plano transformador, embora vilipendiado por alguns. Entre os muitos debates que fazíamos, entre nós e com as populações, para alguns havia uma grande esperança de uma arquitectura de vanguarda e sempre pensei que não iria acontecer - quando aconteceu durou pouco como na vanguarda soviética com um período curto de grande renovação. No caso do SAAL, até pela urgência que havia na acção, com grande precariedade naquele programa, muito dependente da evolução política, o momento foi transformador. Depois foi classificado como um fiasco com o suporte de se ter construído pouco, mas esqueceram-se de dizer que o programa só durou dois anos. Em minha opinião fez-se muito e teve grande notoriedade fora de Portugal. Os primeiros trabalhos que tive lá fora, na Alemanha e na Holanda, foram motivados pelo conhecimento acerca desse programa.

Ter deixado a sua intervenção na sociedade sem receios de se assumir politicamente criou-lhe constrangimentos?

De um modo geral criou aos intervenientes no programa SAAL, penalizados e marginalizados.

Por que razão a admiração ao seu trabalho surgiu primeiro no estrangeiro?

Nunca é assim, preto e branco. Tinha clientes privados que apreciavam o meu trabalho e ficaram amigos, algo que, no processo de um projecto, é uma grande ‘performance' [risos]. Havia outros que não gostavam, mas continua a ser assim. Em relação ao reconhecimento fora com base nesse tipo de trabalho explica-se porque, na Europa, havia uma onda semelhante - o tema da participação era fundamental em Itália e França. A tensão grande tinha a ver com o que se passava nesses países e a situação política na Europa era conturbada. Havia uma grande atenção ao que se passava em Portugal - basta lembrar que os Estados Unidos chegaram a ter uma esquadra no Tejo - e a este programa que tinha a ver com muito trabalho em curso nos países que referi. Fui chamado à Alemanha e à Holanda no âmbito de um trabalho em que a participação era não só desejada, mas necessária. Na Holanda havia o tema dos imigrantes e dos conflitos, existindo um desejo de integração com base num programa de assistência social; na Alemanha o tema latente era já a unificação do país. Construí muito perto do muro, discutia-se e desenhava-se com a crença dos berlinenses envolvidos no projecto na perspectiva de que seria unificado. Pensei que os fulanos estavam loucos, mas, afinal, não...

Sente a recuperação do Chiado como alteração de ideias feitas em relação a si?

Quando me foi entregue o trabalho havia já uma polémica, porque muitos consideravam que era a oportunidade de introduzir a arquitectura moderna no Chiado. Muitos apreciaram o meu plano, outros criticaram-no como conformista e conservador.

Quem for lá hoje vê no que se transformou...

Agrada-lhe?

Muito, muito... Não me agrada tanto que não fosse prolongado por toda a Baixa e todo o centro de Lisboa, embora tenha sentido, com esta administração, a vontade de não esquecer o que foi aquele trabalho e as consequências que teve. E digo isto porque uma parte do plano feito na altura e nunca realizado foi retomada pela Câmara actual há dois anos e está quase concluída.

Mas rejeitou a hipótese de ter intervenção mais ampla...

Cheguei a ser convidado pelo presidente Sampaio para estender o trabalho do gabinete à Baixa. Expliquei ao presidente que eram coisas com ritmos diferentes. O Chiado, núcleo compacto com determinadas características, era algo de grande urgência, em relação ao qual se exigia uma intervenção muito rápida e estruturada, enquanto que, na Baixa, é um processo a um ritmo diverso, longo e disse-lhe que esse problema deveria ser canalizado, tal como o do Bairro Alto e de outros em Lisboa, para uma estrutura dentro da Câmara. Sampaio compreendeu e aceitou, mas a questão da Baixa não foi logo encarada. Neste momento há sintomas melhores, nem sempre bem realizados. Quanto à inovação, a Baixa e o Chiado são como um edifício único pela maneira até como arrancaram com o terramoto de 1755, não faria sentido realizar um implante numa zona que estava a funcionar bem, apesar de já ter sintomas de desertificação como noutras cidades.

Partilhou o seu arquivo com Gulbenkian, Serralves e Canadá: qual é a mensagem?

Um interesse do Canadá por ter nos seus arquivos material meu e que apareceu quando não havia cá. Talvez fizesse o mesmo caso já existisse cá, pois os arquivos do Canadian Centre for Architecture são os melhores. O acordo entre as entidades prevê mesmo critério e catalogação para partilha e consulta no Mundo, embora a directa seja só para profissionais e estudiosos, evitando que desapareçam desenhos. Também há material meu no Pompidou e no MoMa.


Diário Económico | 03.09.2015

O risco de se ser labrego

A nudez pressupõe a ausência de vestes, mas não coincide com ela.

A Nudez, Giorgio Agamben

A fotografia da capa da Cristina é notável. Desde logo porque expõe a nu e a cru as tremendas contradições do nosso espaço público. E porque convoca múltiplas dimensões, públicas e privadas, que, paradoxalmente, se confundem no nosso paupérrimo discurso público.
De início a dimensão política. É inescapável ao momento e ao contexto de campanha eleitoral em que Joana Amaral Dias se apresenta como candidata. E que a própria assume na condição de «mulher e candidata». Ainda que de consequências irrelevantes no decurso da coisa política – pela irrelevância política da Joana Amaral Dias – a fotografia parte de um discurso, equivocado e muitas vezes perigoso, da exposição da intimidade como argumento político. A «transparência», as mais das vezes encenada, como dogma que se nos impõe na «sociedade aberta» - e consequente redução do pessoal a uma personalidade lisa, desprovida de espessura. Depois da encenação pública, surge a encenação do privado, território, por definição, excluído à mise-en-scène. O dogma da transparência como mecanismo de legitimação de uma verdade fabricada e carente de autenticidade.
Pretende também esta imagem suplantar a gravitas que se impõe ao discurso político, numa lógica que remete para o «conservadorismo» cavernícola qualquer pressuposto de que a política, por ser o território onde se decide o bem-comum, terá que necessariamente ser percorrido com contenção e prudência. Em Joana Amaral Dias nua representar-se-ia a ruptura com essa visão arcaica dos engravatados – um pouco à laia da não-gravata de Tsipras e do casaco de cabedal de Varoufakis . Visão suplantada por um mundo de «mentes abertas» sempre disponíveis para serem «elas próprias» e recusarem qualquer encenação delas mesmo que as restringisse no apelo de uma inefável liberdade radical e emancipada. Gente que arrisca – o «risco» da capa em trocadilho com a anunciada «gravidez de risco» em mais uma dissonância entre o privado e o público -, que «ousa». Em última instância o que esta imagem não entende é que «sermos nós próprios» não passa de uma auto-encenação, as mais das vezes auto-engano, onde vamos digladiando e afogando as nossas contradições e demónios – donde todo o discurso político de uma putativa autenticidade do político encerra um equívoco irresolúvel.

Mais susceptível de inquietação é o discurso cultural desta imagem, tanto nas espessuras estética e ética.  Há, por um lado, um discurso da assumpção do risco – o que quer que isso seja – apresentando a nudez como transgressão (ainda e sempre esta visão primitiva?), ademais a nudez de uma mulher, política, grávida. O risco, a ousadia, a transgressão de um corpo despido que se expõe em toda a sua força, fragilidade e autenticidade. Na novilíngua da sociedade hiperssexualizada – porque o sexo é um dos mais potentes motores do consumo - «transgressão» é não mais que cumprir o previsível guião da permanente ruptura que não rompe com absolutamente nada. Pelo contrário, uma «transgressão» que se mede apenas na amplitude narcísica, unidimensional e pobre, de resto.
Num tempo em que o sexo deixou há muito de ser «tabu» - mais uma expressão da novilíngua que pretende deslocar o sexo e a sexualidade de uma esfera relacional para impô-los como altar da «emancipação» e da «liberdade» (não é evidente a irracionalidade?) - a juntar à anunciada dimensão política desta fotografia somos levados a questionar os fundamentos deste feminismo que, ele próprio, objectifica o corpo da mulher. A objectificação e mercantilização do corpo, aqui soterradas num discurso «artístico» que mais não pretende que auto-justificar-se e excluir-se dessa mesma objectificação.

Há ainda o aspecto simbólico do homem, oculto, que envolve Joana nos seus braços. Um homem de bícepes esculpidos, a elevar ainda mais a perfeição desta imagem. Um homem, ao que foi dito, pai da criança que Joana traz no ventre. Um homem que esconde o rosto e que, para efeitos de feminismo, será sempre um vulto de um qualquer homem ameaçador. A tensão, que o revela menos interessado na completude e integridade da mulher na gloriosa gravidez mas mais refém de uma sensualidade de subúrbio que o leva ao irracional de prender e forçar a mulher.

As ondas de choque, calculadas pelo «risco» e pela «ousadia», têm como óbvia consequência a divisão do mundo entre os «progressistas» que aderem impensadamente à imagem e os «conservadores» que mostram alguma prudência e crítica a partir de um qualquer pensamento que se possa extrair desta imagem. Num tempo em que qualquer objecto seja posto a circular como «novidade» qualquer reflexão que se possa fazer à volta dos seus valores intrínsecos é  censurada pelo próprio rótulo da «novidade». Ao gosto do neo-marxismo hegemónico nas elites culturais, divide-se o mundo para uma qualquer dialéctica que resulta numa síntese previsível de inversão dos termos com efeitos políticos evidentes: o «libertário» é o que mostra tudo numa sociedade onde já tudo foi mostrado e não cessa de ser mostrado, onde a noção de obscenidade (fora de cena) se apagou no tsunami com que o privado derruba o público; o «velho do Restelo» é o que exige algum afastamento (ruptura?) com a devassa narcísica auto-imposta pela lógica das redes sociais.

Por tudo e também pelas inusitadas toneladas de photoshop esta é uma péssima imagem. Mas que é já a imagem da indigência cultural e política deste tempo que Portugal passa.

O Grito


Controla a linguagem e és dono do pensamento

Two programmes taught at Washington State University have set out clear restrictions upon the language students can use, banning terms such as “The Man”, “Coloured People” and “Illegals/ Illegal Aliens”. The terms have been forbidden by certain professors on the basis that they are “oppressive and hateful”, according to one of the syllabuses reported by Campus Reform.

The Independent | 31.08.2015

A intolerância cresce nas universidades sob o lema e o programa político “controla a linguagem e és dono do pensamento”. Como é que os novos marxismos totalitários estão a usar o controlo dos departamentos de ciências sociais e humanas das universidades para impor uma nova linguagem ao serviço de um projeto político e ideológico que visa arrasar com o cânone cultural ocidental? A principal estratégia é o reforço da censura sobre a linguagem. O controlo da linguagem é a primeira fonte de doutrinação. Uma vez amestrados, os jovens estudantes ficam preparados para aceitar a censura como natural porque imposta sob o pretexto da promoção da igualdade. Quando a domesticação cultural e linguística estiver concluída, os próprios jovens se encarregarão de, através da autocensura, fazerem uso acrítico da nova linguagem sem se aperceberem que são sujeitos passivos de um experimentalismo político que visa o controlo total da sociedade através da destruição da “velha” cultura, tida como opressora das minorias, e a sua substituição pela mais radical das igualdades: a ausência de masculino e feminino como resultado da diferenciação biológica. Tome-se nota: “Tutors have been requested to consider asking students which pronouns they wish to be addressed by, warning against assuming gender-binary pronouns “he” and “she”. (Fonte: The Independent).

O objetivo último é impedir os estudantes do uso do pensamento crítico. Ao contrário do que pensam os neomarxistas, a linguagem é uma criação espontânea que resulta numa ordem constantemente reinventada pelas pessoas comuns que constituem o universo dos falantes. Não é a elite que cria a linguagem. Tão pouco a elite académica. A norma linguística impõe-se pela tradição e não pela pela autoridade de uma elite, ainda que essa elite se apresente como iluminada, portadora do futuro ou representante de grupos oprimidos que precisam de ser resgatados. O controlo dos departamentos de educação e ciências sociais pelos neomarxistas, através das suas inúmeras máscaras, permite-lhes inverter a realidade, impondo aos jovens estudantes critérios de avaliação que incluem a penalização dos que resistem a alinhar no processo de destruição/reconstrução linguística imposto pelos iluminados. Tome-se nota: “A further course entitled “Introduction to Comparative Ethics Studies” taught by Professor Rebecca Fowler also states that the use of “inappropriate terminology” will impact on students’ grades, “with the deduction of one point per incident”. (Fonte: The Independent).

A norma linguística deixa de ser o resultado de um lento processo de criação feito pelas pessoas comuns ao longo de muitas gerações e passa a ser o resultado do experimentalismo político tutelado pela elite académica que, para isso e quando necessário, usa a autoridade para reprimir os resistentes ao processo de destruição/reconstrução linguística tutelado por extremistas iluminados.


Via O Insurgente

Contas feitas

As ficções de que se alimentam os partidos, que pouco mais fazem que salvar aparências e ‘épater le bourgeois’, e a percepção generalizada de que São Bento já só cumpre ordens de Bruxelas, atiram o eleitorado mais fundo no barranco da desconfiança.

A coligação, pendurada na moral There Is No Alternative, exibe uns desajeitados números que confunde com o esforçado desempenho da economia. Apesar de quatro anos de governo e da asfixia fiscal imposta.
O PS de Costa, mais atordoado que o de Seguro, insiste na austeridade de rosto humano a toque de investimento (fantasia socialista para o esbulho tributário) e recupera elevadas visões que nos deixam tementes e trementes.

Quase todos vítimas da austeridade, somo-lo sobretudo das ficções partidárias servidas em ‘prime-time’. Geradas nos estritos campos político e mediático (que reciprocamente se sustentam) disfarçam com ruído a anemia partidária e a indiferença dos eleitores ao papaguear.

‘There’s no such thing as public money’, explicou Thatcher pacientemente, ‘there’s only taxpayers’ money’. Contas feitas, é o que sobra depois da rapina do Estado que vai decidir sortes à vigésima-quinta hora de 4 de Outubro.


Diário Económico / 01.09.2015

Zé do Pipo no país das maravilhas

As 1001 Noites, Vol. 1, O Inquieto | Miguel Gomes | Portugal / 2015


O mais espantoso no cinema de Miguel Gomes é o milagre. E a recusa do cinismo.
A sensibilidade com que as personagens são filmadas e, muitas delas, a simplicidade com que crescem e inadvertidamente nos colocam na desconfortável posição de alguém que volta a acreditar (em qualquer coisa de humano).
Se a personagem principal de As 1001 Noites – O Inquieto somos nós, Portugueses, enquanto comunidade, tal só se compreende a partir das personagens singulares – tantos de nós – que a suportam. Assim como a vida que nos junta em comunidade é mais que o somatório de cada um dos nossos percursos singulares, o filme de Miguel Gomes, é mais, muito mais, que as tragédias, as pequenas ou grandes misérias, as virtudes e as fragilidades de cada personagem.
A verdade da experiência cinematográfica de As 1001 Noites – O Inquieto é o incessante trabalho de tactear uma sociedade deprimida, abatida, depauperada, sem esperança, por entre um amoroso labor de aproximação a cada uma das personagens (que poderia ser cada um de nós). Labor, entretecido entre o documentário e a ficção, feito de riso e lágrimas, de esperança e angústia, enfim, da argamassa que nos cola à Vida e uns aos outros.

A sociedade da fealdade


A moda, como assunto sério, é bastante mais esclarecedora sobre a sociedade e o indivíduo dentro dela que qualquer tese ou dissertação em «ciências» sociais da Nova ou do ISCTE (dado que estas obedecem a uma natureza ideológica mais preocupada em fazer política que na procura da Verdade). A moda como hábitos e costumes com que atravessamos o quotidiano e não o mero campo da disciplina do desenho de vestuário, bem entendido.
A aceleração da sociedade de consumo e a omnipresença das mesmas imagens propagadas em todos os lugares do planeta tem efeito imediato na homogeneização da(s) cultura(s) (não só) visual e produzem uma profunda modificação (antropológica) no modo como o indivíduo se reconhece a si mesmo dentro das teias de relações sociais em que se insere. A exposição, cada vez mais acentuada, de todos nós às mesmas imagens resulta no seu consumo irreflectido e, a partir daqui, na elaboração de estratégias individuais que afirmem a individualidade dentro da terraplanagem cultural em curso.
Ora, resulta daqui a necessidade de se questionar o estatuto da imagem, da política da imagem e, para o que aqui interessa, a relação do indivíduo com essas imagens e como as interpreta no seu quotidiano, no modo de falar, de se vestir, no modo como se faz visível no meio do turbilhão onde todos nos queremos destacar - e aqui há que compreender, entre outras coisas, os fundamentos da cultura da sociedade de consumo, que insistem (como um martelo sobre as consciências) na promoção da «novidade», na celebração do «original», no recuo do espaço público de tudo (e todos) o que não obedeça a um padrão social que alimente a roda do consumo (os velhos com cada vez menos visibilidade; as crianças vistas como tábua rasa para endoutrinação de futuros consumidores, por exemplo).
São mais que conhecidos os efeitos estéticos e éticos desta voracidade. Como uma embriaguez de imagens e ruídos que a todos deixa em transe e incapazes de tecer um murmúrio crítico (racional) que seja. Enfim, uma sociedade de alienados sem capacidade de qualquer de subverter a ordem do consumo. Sendo a própria subversão absorvida pelas lógicas do mercado e tornadas, instantâneamente, produto disponível para consumo – e é esta a tremenda perversão do estádio actual do capitalismo que, tendo a capacidade para em tudo colocar um preço, chegou a hora, agora, de colocar cada um de nós, a partir do seu mais íntimo, à venda.


A tatuagem (e o piercing), por exemplo.
Até há pouco tempo significantes da fuga aos valores dominantes inscrita na pele, é agora, massificada e «democratizada» a incisão visível da ambiguidade com que, por via dos mecanismos do consumo, se debate cada indivíduo do interior da sua esfera mais íntima.
Se, por um lado, a tatuagem pretende a individuação radical do sujeito - tão radical que este se submete a sessões de tortura com agulhas para a inscrever – através dos desenhos que se supõem «únicos» e «originais», é, por outro lado, sinónimo da massificação do gosto e da padronização de comportamentos. O objecto que se pretendia único e singular, numa sociedade onde cada vez mais somos iguais uns aos outros no gosto e no desejo, desenhado para afirmar veementemente os valores individuais do sujeito, é afinal, agora, símbolo da sujeição e submissão passiva e acrítica do sujeito a esses mesmos valores que pretendia contrariar. O 'mercado', mais uma vez, açambarcou as 'margens' que dele procuravam fugir. O mercado insidiosamente chegou à alma.

***

O discurso progressista, assente na língua-de-pau das «diversidades» concorre e é, afinal, o idiota útil do rolo compressor consumista que não deixa nada, absolutamente nada, de fora do mercado.

***

Lateralmente: um outro facto pode estar na origem da proliferação das (horríveis) tatuagens. Se o substracto antropológico do cristianismo em que se fundava a nossa civilização afirmava cada mulher e cada homem como ser único, singular, feito à imagem de Deus, estava tatuado no espírito e na alma de cada mulher e de cada homem essa singularidade e originalidade irrepetíveis, sem necessidade de exteriorização da individualidade. No novo mundo, ateu e secular, sem qualquer tipo de referência à singularidade do ser humano e onde o sujeito é mera célula do quadro excel, é necessário o recurso a estratégias de visibilidade que afirmem explicitamente o sujeito.
You can run, but you can't hide. Nada nem ninguém está a salvo do nihilismo consumista.

***
 
Sobra a questão do belo e do corpo. E a recusa modernista - ocupado que estava o modernismo com a funcionalidade e a objectividade a partir da tábula-rasa da História - em pensar o belo. O pós-modernismo querendo recuperar a História pretendeu fazê-lo através da ironia. E a ironia pouco mais realizou que a irrisão. E hoje, o coração do pensamento e da produção artísticas contemporâneos é a mortal derrisão. O nihilismo (narcisista) a partir do qual hoje olhamos para o mundo - e o pretendemos conformar à nossa subjectividade - recusa qualquer absoluto. Qualquer ideia de que se suspeite pôr em causa a cadeia da relativização dos valores é atirada para o beco do anátema intelectual. Muito menos recuperar a categoria do belo para pensar o mundo. Nada pode travar a (transcendente) máquina do mercado que perversamente nos seduz à sua servidão usando a nossa própria liberdade como via. Produzir um juízo estético sobre os gatafunhos inscritos sobre a pele é, na fantasia da liberdade que o mercado nos serve, um pecado contra a emancipação do gosto e do corpo. Obviamente, a relativização do gosto e o uso do corpo como território político, são os meios pelos quais a fealdade se massifica. Estamos cada vez mais rodeados do feio.