que não viram as torrentes infindáveis